Coração bate mais forte à noite em Fronteira

26 novembro 2016

De noite aumenta a emoção e os possíveis problemas técnicos que vão surgindo nos automóveis, parecem ampliar a gravidade e adiar as soluções. Tudo isto faz parte de uma longa prova de resistência onde tudo pode acontecer. O espírito de equipa vai aquecendo a noite de Fronteira com os termómetros a descerem com o adiantar da hora. Para compensar acendem-se as fogueiras, e nas diversas boxes preparam-se os petiscos, numa convivência natural com a azáfama dos mecânicos que tentam ir resolvendo os problemas que vão surgindo.

Perto da habitual hora de jantar ainda há muita corrida pela frente. De olhos postos nos tempos que vão caindo, há quem sonhe em responder à letra às equipas francesas, heróis da resistência em quatro rodas. Francis, Pierre e Louis Lauilhe com Stephane Barby vão liderando e explicando porque venceram a edição do ano passado. De olhos bem abertos e sem dar grandes tréguas, os experientes franceses que acompanham o Alexandre Andrade na conhecida e famosa equipa de Mário Andrade querem voltar a vencer em Fronteira, apesar de terem de enfrentar uma forte concorrência também proveniente de França.

Os desejos lusos continuam intactos, até porque para alguns a noite é boa conselheira. Paulo Marques está bem posicionado e a equipa de Victor Conceição surpreende. Rómulo Branco não entrega os pontos, bem como Ricardo Porém que está em ritmo de recuperação, tal como o melhor concorrente aos Desafios ELF Mazda, a tal “equipa de navegadores” liderada por Pedro Dias da Silva. Cuidados redobrados durante a parte noturna da prova, com duelos lamacentos e escorregadios a embalarem uma atmosfera única que se vive em torno de um circuito carregado de emoções. No coração da festa, a animação vai durar até ao nascer do sol, acompanhando as equipas que lutam na pista até à bandeirada final.

scroll up