Toyota estreia-se a ganhar à segunda ronda

12 fevereiro 2017

Tommi Mäkinen já tinha dito que a Toyota iria ganhar uma prova este ano. O que ele provavelmente não esperava era que o triunfo surgisse duas jornadas após o regresso ao Campeonato do Mundo. Mas a verdade é que foi isso mesmo que aconteceu, com Jari-Matti Latvala a dar à marca nipónica a primeira vitória no Mundial de Ralis em 18 anos – o último triunfo foi assinado por Didier Auriol no Rali da China, então aos comandos e um Toyota Corolla WRC.

O finlandês, que já no Monte Carlo tinha estado em bom plano ao terminar em segundo, voltou a apresentar-se muito forte e, depois de primar pela regularidade nos três primeiros dias de prova, nesta última etapa do Rali da Suécia não deu hipóteses aos rivais. O piloto do Yaris WRC levou de vencida as três classificativas propostas para este domingo, com o triunfo no importante Power Stage a valer-lhe cinco pontos extra, o que contribuiu apenas para uma liderança da geral ainda mais confortável depois de uma prestação mais modesta do Campeão Sébastien Ogier, que não foi além de terceiro.

No intermédio do pódio ficou Ott Tänak. O estónio não se deixou afetar pelo calibre dos rivais que teve à sua frente e atrás de si durante quase todo o rali e fez uma prova bem calculada para assinar o segundo pódio do ano com o Fiesta WRC ’17, melhorando o terceiro lugar que tinha conquistado na abertura da época no Monte Carlo.

Na terceira posição ficou, como já se referiu, Ogier. O colega de equipa de Tänak nunca se conseguiu encontrar neste Rali da Suécia, com uma prestação irregular ao longo de toda a prova. O Campeão do Mundo não triunfou numa única classificativa e chegou mesmo a apresentar um décimo tempo, o que se traduziu em posições à geral entre o oitavo lugar e o terceiro posto final, o que acabou por levar à perda da liderança do Mundial. O piloto do Ford Fiesta WRC ’17 ocupa agora a segunda posição com 44 pontos, menos 4 que o novo líder Latvala.

Dani Sordo acabou voltou a ser o melhor representante da Hyundai. O espanhol levou o i20 WRC a novo quarto lugar, enquanto o colega de equipa Thierry Neuville repetiu a dose do Monte de Carlo. Ou seja, o belga voltou a liderar a prova para depois desistir devido a erro quando tinha o triunfo nas mãos. Melhor esteve Hayden Paddon, que terminou o rali em sétimo, atrás de Craig Breen, o melhor piloto Citroën, e de Elfyn Evans (Ford). Stéphane Lefebvre (Citroën) foi nono, com Pontus Tidemand (Skoda) a completar o Top 10. Kris Meeke voltou a ficar a zeros, se bem que desta feita logrou levar o C3 WRC até ao final, terminando em 12º.

O Campeonato do Mundo de Ralis vai agora atravessar o Atlântico para o Rally Guanajuato México, de 9 a 12 de março.

scroll up