Triunfo de Carlos Sainz na chegada à Bolívia

11 janeiro 2018

O pesadelo das dunas peruanas ficou para trás, mas as dificuldades continuam num Dakar surpreendente, muito duro e desgastante. Antes de reaparecerem as areias, Sainz aproveitou pisos mais duros e a alta altitude, mostrando que ainda é candidato à vitória, apesar do “Senhor Dakar” teimar em continuar líder. Numa dobradinha da Peugeot, com o espanhol a ser 4m06 mais rápido que Peterhansel, a Toyota fez o possível para contrariar os 3008 DKR, com Nasser Al-Attiyah a conquistar o 3º melhor tempo do dia a 5m05 de Sainz, enquanto De Villiers assinou a 4ª posição a 5m31.

Depois do abandono de Loeb, o terceiro carro da Peugeot, pilotado por Després obteve o 5º tempo à chegada a La Paz, mas já a 8m49, com Mikko Hirvonen a ser o melhor Mini em prova na 6ª posição a 8m56. Bernard Ten Brinke em Toyota perdeu tempo e foi apenas o 7º melhor do dia a 9m31 de Sainz, seguido pelo argentino Lucio Alvaréz também em Toyota. Em relação aos portugueses que resistem à dureza deste Dakar, Carlos Sousa foi o 17º à chegada a La Paz, enquanto Filipe Palmeiro navegou Boris Garafulic até ao 12º lugar do dia.

Na classificação geral, Stephane Peterhansel guarda a liderança da prova a “sete cheves”, agora com um avanço de 27m10 perante Carlos Sainz. Numa perseguição já algo distante aos dois homens da Peugeot, a armada da Toyota conta com três pilotos muito perto uns dos outros, mas demasiado longe dos dois primeiros lugares. Bernard Ten Brinke é o 3º classificado já a 1h20m41 de Peterhansel. A 4ª posição é ocupada por Al-Attiyah a 1h24m20 e o 5º lugar pertence a De Villiers a 1h35m59, todos em Toyota. O melhor Mini em prova é o de Jakub Przygonski que ocupa a 6ª posição a 2h25m16 do líder Stephane Peterhansel. Os portugueses ainda em prova estão a recuperar posições. Carlos Sousa é o 25º classificado e Filipe Palmeiro está no 26º lugar da geral. Amanhã descansa-se em La Paz.

scroll up