Rota do Douro

27 julho 2017

No Norte de Portugal fica uma das melhores estradas para fazer umas férias de carro inesquecíveis, que até tem um troço que foi eleito em 2015 como a "Estrada mais bonita do mundo". Falamos da Nacional 222, que liga Vila Nova de Gaia a Almendra, quase sempre ao longo da margem esquerda do rio Douro.

Dada a grande quantidade de pontos de interesse ao longo do caminho, sugerimos-lhe que vá apenas até ao Pinhão, precisamente o local onde acaba o tal troço que o mundo ficou a conhecer, pois os 25 quilómetros que vão da Régua até ao Pinhão, sempre rentes ao rio Douro, são de cortar a respiração a todos os que se entusiasmam com belas paisagens. Mas estamos-nos a antecipar demasiado. Vamos então ao início desta viagem. 

Gaia e Porto estão, como todos sabem, separadas pelo eixo central desta viagem: o rio Douro. É por isso altamente recomendável que comece esta viagem olhando com atenção para as seis pontes que ligam aquelas duas cidades. Se se concentrar na Ponte de D. Luís, vai ter oportunidade de, a pé ou de carro, conhecer os centros históricos de Gaia e Porto, fonte suficiente de pontos de interesse para ali gastar dois ou três dias. Mas o inédito é largar estes dois centros urbanos e seguir para o douro campestre, sempre pela Nacional 222.

E a primeira paragem é Cinfães do Douro, uma região de boa gastronomia (experimente as papas milhas com fígado de porco cozido ou os rojões à moda de Cinfães). Não falta património a esta região cheia de história pelo que deve visitar a Capela de São Pedro do Campo, as Muralhas das Portas (na serra de Montemuro), o parque megalítico de São Pedro ou as 12 igrejas matrizes que existem a redor de Cinfães. Destaque para a Ponte de Soutelo, sobre o rio Bestança, que se julga ter feito parte da via romana que ligava Braga a Mérida (Espanha).

Uns quilómetros mais à frente, já em Resende, a riqueza de património obriga a gizar bem o seu roteiro, de forma a não se perder no meio de tanta oferta. Mas não deixe de visitar a Torre da Lagariça, imortalizada em 1900 por Eça de Queiroz em "A Ilustre Casa de Ramirez".

Nota ainda para a Igreja e Castelo de São Martinho de Mouros ou as Caldas de Aregos. Depois de Resende, entre muitas curvas com o rio Douro a entrever-se, aparece-nos o Peso da Régua, a capital do Douro, a mais antiga região demarcada do mundo, com 261 anos.

Este é o epicentro daquele que para muitos será o ponto alto da viagem, seja no plano físico (o Douro chega nalguns pontos aos 900 metros de altitude), seja no plano paisagístico (com vistas de cortar a respiração). Aliás, também lhe poderíamos propor uma rota de 13 miradouros no Douro, mas tal iria alargar demasiado o perímetro da nossa sugestão, pelo que o miradouro de São Leonardo da Galafura, a 640 metros de altitude, chega perfeitamente para encher as medidas.

Tente ir ao pôr- do-sol e verá que não esquece a experiência. E dali vai estar a olhar para a estrada mais bonita do mundo, o troço da Nacional 222 que liga Régua ao Pinhão, passando pela Folgosa do Douro.

Se ficar na Régua a pernoitar, não deixa de visitar o Solar do Vinho do Porto, a Casa do Douro e os vários armazéns de vinho, onde se fazem provas de vinhos, que também podem ser feitas por marcação numas das muitas quintas de enoturismo.

Distância: 150 km

Tempo de viagem: 4 dias

Estradas: EN 222

scroll up