CARROS AUTÓNOMOS SÃO UMA OPORTUNIDADE PARA OS DESIGNERS? II

PAOLO PININFARINA
Designer de automóveis
21 dezembro 2016

Independentemente da forma que os veículos autónomos venham a tomar, vai ser uma grande oportunidade para os designers. Os designers estão continuamente a inovar no setor automóvel, mas também em outros setores - em tecnologia, materiais. Esse é um dos grandes contributos dos designers para a tecnologia de automóveis novos.

Pode ser que os veículos autónomos representem um novo produto - talvez um sistema em vez de um único produto, um dinamizador da criatividade. Da mesma maneira que um comboio, um carro sem motorista pode levar muitas pessoas, tornando-se num serviço. Este é o tipo de oportunidade que existe e estamos abertos a fornecer ideias.

O advento deste tipo de tecnologia dá-nos grande liberdade. O espaço, a funcionalidade - cada aspecto é um novo desafio. É um assunto com o qual estamos entusiasmados, na medida em que recentemente apoiamos um concurso de design envolvendo quatro escolas de design - a IAAD italiana, a rede internacional IED, a ISO Rubika francesa e a sueca UMEA - analisando com cada uma o futuro do design de automóveis.

Além disso, os designers de automóveis não se limitam a este setor. De fato, acho que Giugiaro começou a projetar outros produtos na década de 1970 e Pininfarina fez o mesmo, e todos nós fizemos design sobre tudo. Então, por que não trazer essa criatividade para o carro sem motorista?

O carro sem motorista será um setor interessante. Creio que vai surgir em áreas de nicho em primeiro lugar. Por exemplo, para pessoas mais velhas. O mercado entre as pessoas que não podem dirigir um carro mais porque não vêem bem ou seu movimento é restrito vai tornar-se muito interessante. Creio que o Japão será um dos primeiros mercados para este tipo de veículo, porque tem o maior número de pessoas ricas na terceira idade.

Assim, para mim, será inicialmente um nicho, tal como o da emissão zero ou o dos supercarros, que se desenvolverá gradualmente. Não vejo o carro autónomo como a antítese do carro tradicional. Haverá híbridos. Muita pesquisa está a ser feita sobre a condução assistida e o carro tradicional recorre cada vez mais à tecnologia de condução assistida. Assim, a fronteira entre carros tradicionais e autónomos será diluída.

Mas para nós, é um desafio emocionante. Não estamos assustados com a mudança. A inovação é a nossa inspiração e não temos medo. 

*Este é o segundo de três artigos sobre o desafio dos carros autónomos para quem desenha e concebe automóveis
**Paolo Pininfarina é filho (e atual diretor da empresa criada pelo avô em 1930) de Sergio Pininfarina, um dos mais marcantes designers do mundo autmóvel, responsável por vários modelos da Ferrari (330, 250 GT, Testarrossa, 412), da Peugeot (205 cabriolet, Talbot Samba, 504, 306 cabriolet, 406 coupé), da Alfa Romeo (33, GTV), da Fiat (124 Spider), da Lancia (Aurelia, 037), entre muitos outros.
scroll up