O FINAL DO SONHO DIESEL ESTÁ PRÓXIMO

ANTÓNIO XAVIER
Diretor Executivo do Autoclube
14 dezembro 2016

Enquanto sobe em flecha a moda dos SUV’s em toda a Europa, cai em proporções diferentes o apetite pelas motorizações diesel, que durante décadas dominaram o panorama europeu em diversos segmentos do mercado.

A evolução dos blocos diesel em termos técnicos foi elevada a uma escala tal, que a apetência por conduzir carros a gasóleo tornou-se um hábito, tal a facilidade de conjugar potência com economia, e uma evidente satisfação em conduzir ao longo de centenas de quilómetros. Se este prazer de conduzir um turbo-diesel criou alguns vícios, o que contraria os puristas eternos amantes dos motores a gasolina, os novos tempos apontam para o final do sonho diesel, numa tentativa de solucionar os graves problemas ambientais que o mundo atravessa.

O recente problema enfrentado pela Volkswagen com os seus motores diesel, foi tão empolado, que rapidamente viajou dos EUA para todo o mundo, confundindo-se emissões de Nox com CO2. Com mais ou menos espionagem industrial à mistura, os avisos ecologistas surtiram efeito e o gigante alemão até já anunciou lançar 30 modelos elétricos na próxima década, desinvestindo no desenvolvimento de motores diesel.

Agora, encontrar soluções viáveis e sustentáveis de mobilidade, é um desafio para os principais construtores mundiais. Primeiro afastam-se a motorizações diesel, com os necessários apoios e incentivos governamentais, depois promovem-se tecnologias híbridas e Plug-in, numa conjugação de motores de combustão a gasolina com motores elétricos, para acabar num futuro muito próximo em motores exclusivamente elétricos.

E os sinais dos tempos aí estão, com grandes cidades como Paris e Madrid a prepararem-se para banir carros movidos a gasóleo e a Alemanha a anunciar que em 2030 irá acabar em definitivo com os carros de motor exclusivamente a combustão, quer sejam a diesel como a gasolina. E enquanto não se atinge a mobilidade totalmente elétrica, a Volkswagen garante investir apenas no desenvolvimento de motores a gasolina nos EUA, com a Mercedes-Benz a ameaçar ir pelo mesmo caminho.

Normas mundiais de emissões mais apertadas obrigam a medidas drásticas, com a Europa ainda a tentar resistir, mas com a procura de motores diesel a cair um pouco por todo o mundo.

Diversos incentivos verdes estimulam compra de automóveis elétricos um pouco por todo o mundo, com Portugal a não fugir à regra. Os próximos anos serão decisivos para se medir o futuro dos diesel, embora se conheça a sua morte anunciada.

O custo das novas tecnologias para tornar os motores diesel respeitadores das regras é tão elevado que, todos os construtores já apontam as suas baterias para o desenvolvimento de pequenos motores a gasolina com baixo custo de produção e claro para um futuro totalmente elétrico, onde a condução autónoma também terá um importante papel.

O final do sonho diesel está mais perto do que se julga. De tal forma que as memórias de Rudolf Diesel, que já gozaram momentos de glória, parecem agora totalmente ultrapassadas.

scroll up