Ott Tänak na rota do terceiro triunfo da temporada

01 junho 2019

O estónio aproveitou bem a boa posição na estrada conquistada na véspera e manteve a liderança neste segundo dia, mesmo após o tempo perdido na segunda passagem por Amarante.

Ott Tänak esteve perto de transformar um dia quase de sonho num pesadelo, quando fez um pião ao quilómetro 18 da derradeira classificativa da etapa (SS13), que podia ter deitado tudo a perder. Não deitou e o estónio conseguiu limitar o dano, perdendo somente 12,7s para o vencedor da especial, Thierry Neuville, e segurando o comando do Rally.

Até aí tinha conseguido alargar um pouco a liderança face aos principais rivais, assegurando, no processo, mais uma vitória em classificativas, a terceira para a conta pessoal. Com este percalço, o estónio deixa a emoção ao rubro para o último dia, com Meeke a menos de cinco segundos e Neuville a menos de 10 na classificação geral.

Tänak ainda sofreu alguma pressão do colega na Toyota, Jari-Matti Latvala, mas sem nunca se sentir acossado, pois sabia que, se fosse caso disso, seriam dadas ordens de equipa ao finlandês para não o ultrapassar, porque é claramente o piloto da marca nipónica mais bem situado para poder discutir o título.

Todavia, Latvala seria mesmo a principal vítima da jornada, já que a cedência do amortecedor dianteiro direito do Yaris, no final da SS11, viria a forçar o seu abandono, à entrada para derradeiro troço, por instruções da equipa: os mais de 37 quilómetros de Amarante 2 iriam ser impossíveis de cruzar naquelas condições.

Beneficiou Meeke, que embora andando sempre a bom ritmo, nunca pareceu capaz de superar o finlandês em condições normais. Subiu assim a segundo da geral e Thierry Neuville a terceiro. O belga beneficou, por sua vez, da tática da Hyundai de atrasar Dani Sordo e Sébastien Loeb na ordem de partida, para os colocar na estrada depois da passagem de Sébastien Ogier e antes da de Neuville.

Isso fez com que o francês da Citroën passasse de oitavo a sexto na estrada, com as naturais consequências no cronómetro, porque apanhou os troços mais sujos, particularmente de manhã. Com isto, Neuville está na terceira posição, 4,9s atrás de Meeke e 11,8s à frente de Ogier.

Quanto a Esapekka Lappi, foi o dia todo consistentemente mais rápido do que Teemu Suninen: superou-o na geral após a terceira especial de hoje e cavou, até ao fim do dia, um fosso de 25,2s entre ambos. Gus Greensmith era sétimo à entrada para a derradeira especial, mas um despiste forçou-o ao abandono. Beneficiou Elfyn Evans, que assim subiu uma posição.

E beneficiaram igualmente os pilotos do WRC2 Pro: Kalle Rovanperä, que recuperou o comando logo após a primeira classificativa da manhã, depois de um furo o ter atrasado um pouco na véspera, sobiu a oitavo; e tem uma vantagem superior a um minuto sobre o rival no WRC2 Pro, Jan Kopecky, que é nono. Quase 20 minutos atrás, aparece Mads Ostberg, na terceira posição, ao abrigo do Super Rally, depois da desistência da véspera.

A encerrar o top 10 surge o primeiro classificado do WRC2, Pierre-Louis Loubet, que já comandava o pelotão deste campeonato ainda antes da desistência de Takamoto Katsuta, na SS12. Emil Bergkvist, a 1m57,7s, é segundo, na frente de Henning Solberg (+18,7s), que encerra o pódio provisório do WRC2.

Já no que toca ao Campeonato de Portugal de Ralis, competição que terminou após a primeira passagem por Amarante, a vitória foi para Armindo Araújo. Ainda assim, o Campeão Nacional, bem como outros pilotos da casa, seguem em prova para, tal como as estrelas do mundial, viverem na primeira pessoa as emoções de domingo e do incontornável troço de Fafe.

scroll up