O renascimento de um Fiat 600 Multipla de 1962

03 janeiro 2019

Toda a gente conhece Lapo Elkann, o excêntrico herdeiro da Fiat, que gosta de ser notado não só pela sua personalidade e dress code, mas também pela criação de carros nunca vistos, graças ao seu atelier de elaboração e personalização de carros, o Garage Italia Costums.

Uma das mais recentes obras da sua lavra é um antigo Fiat 600 Multipla completamente restaurado e no qual foi aplicado uma verdadeira obra de arte no teto: o triunfo da Divina Providência, de Pietro da Cortona, um fresco pintado entre 1632 e 1639 e que está no hall do andar nobre do Palazzo Barberini, em Roma.

Hoje, com estas alterações, este Fiat 600 Multipla vale cerca de 20 mil euros. A parte interna do telhado, que foi completamente trabalhada para acomodar o fresco. Não é a primeira vez que são reproduzidas pinturas famosas nas mais variadas aplicações, mas nem por isso era prática comum no setor automóvel, facto que a a Garage Italia inovou.

É certo que há vários modelos que por vezes são apresentados com pinturas modernas, mas este tipo de trabalho minuciuoso é algo inédito: pela primeira vez dá-se a justaposição entre um carro do século XX e a arte antiga. O resultado agora é visível para todos, com a reprodução passada para couro, aplicado também nos bancos.

Este projeto foi encomendado pelo Hotel St. Regis, um hotel de luxo de Roma que queria restaurar o Multipla histórico que tinha a aprodecer. A pintura original homenageia os primeiros exemplares deste modelo, mas trazem um pormenor faustoso: os tons são separados por um friso composto por folhas de ouro de 24 quilates.

Mas revolução não se ficou por aqui, já que o motor foi mudado para uma versão elétrica que permite atingir os 95 km/h de velocidade máxima e cerca de 150 km de autonomia. Para trás fica o clássico motor de 4 cilindros e 633 cc, refrigerado a água.

scroll up