WRC de 2019 mostrou-se ao mundo em Birmingham

12 janeiro 2019

Depois de mais um título individual para Sébastien Ogier e de um coletivo para a Toyota, as movimentações no mundo dos ralis animaram os últimos dias do ano passado e entraram em força em 2019, garantindo diferentes agitações e, essencialmente, uma imagem mais sedutora, onde as novas cores dos carros oficiais cativam o olhar, mas debaixo das vestes, estão mais argumentos técnicos, e ao volante revigorados pilotos, apostados em conquistar resultados para as suas equipas.

No Salão Autosport International em Birmingham foi desvendado o novo visual dos carros oficiais que vão animar o WRC durante as 14 provas desta temporada que se inicia em Monte Carlo, já a 24 de janeiro. E se as danças de cadeiras das equipas já estão definidas, resta agora saber qual o comportamento dos protagonistas com os novos carros, que também jogam novos argumentos técnicos.

Como novidade, os pilotos oficiais escolheram os números que vão ostentar nos carros durante toda a época. Assim, na Toyota, campeã de construtores no ano passado, a nova aquisição Kris Meeke, que veio da Citroën, vai correr com o nº 5, Ott Tanak continuará com o nº 8 e Jari-Matti Latvala com o nº 10. Todos eles vão estar presentes no Rali de Monte Carlo.

A Citroën passa a contar com o campeão do mundo Sébastien Ogier, que irá exibir o nº1 nas portas do C3 WRC, a recente aquisição Esapekka Lappi escolheu o nº 4 para o campeonato deste ano. Serão estes os dois pilotos da marca francesa presentes em Monte Carlo.

A Hyundai, que procura ansiosamente por um título coletivo ou individual, trocou de chefe de equipa. Andrea Adamo substitui Michel Nandan, na tentativa de alcançar aquilo que procura nos últimos 3 anos, onde tem sido sempre 2ª classificada. Thierry Neuville vai levar nas portas do i20 WRC o nº 11, o seu colega para todas as provas, Andreas Mikkelsen terá o nº 89, enquanto Dani Sordo escolheu o nº 6 e a aquisição mais comentada, Sébastien Loeb terá o nº 19 no seu Hyundai i20, assim que chegue do Peru, onde está a disputar o Dakar ao volante de um Peugeot. Na Hyundai só Dani Sordo não irá alinhar no Monte Carlo.

A Ford M-Sport, que deixou de contar com Ogier, vai manter Teemu Suninen que escolheu o nº 3 para esta temporada e Elfyn Evans que será o nº 33. A M-Sport, que mantem intactos os seus sonhos de evolução competitiva, tem como projetos a breve prazo, uma pista de testes própria e um centro técnico de avaliação desportiva, contando para isso com o apoio da Ford Motor Company. Malcom Wilson está otimista em relação ao novo ano, tendo contratado inclusivamente o sueco Pontus Tidemand, que se destacou ao volante de um Skoda Fabia R5 na categoria WRC2, para tripular um dos Ford Fiesta WRC em 2019, já a partir de Monte Carlo.

O WRC 2019 conta com 14 provas, mas alguns dos contratos terminam já no final deste ano. Sabe-se que existem fortes candidaturas, como o Japão ou o Quénia, com o continente europeu a olhar com atenção para os países de leste como a Croácia ou a Polónia, para um futuro calendário que não deverá contar com mais de 15 ralis. Para já, as atenções estão todas em Monte Carlo onde o WRC 2019 tem honras de abertura, e etreia a nova categoria WRC2 Pro que, com o andar do calendário,  deverá contar com carros R5 oficiais da Citroen, Ford, Skoda, Hyundai e Volkswagen. Agora, na categoria principal (WRC),esperam-se duelos apertados em pisos de neve e gelo, e também pelos primeiros indicadores competitivos, onde Neuville vai tentar entrar com tudo, até com a preciosa ajuda de Loeb. Por cá, as grandes emoções do Vodafone Rally de Portugal, vão ser vividas entre 30 de maio e 2 de junho.

scroll up