Energia Inteligente é prioridade para a Nissan

06 fevereiro 2019

O 3º Fórum da Mobilidade Inteligente da Nissan vincou três pilares essenciais para que a energia possa ter inteligência própria ao serviço da comunidade. Mobilidade, condução e integração parecem ser a base para um sucesso que se deseja breve. Investir na rede de carregamentos é um dos passos essenciais para que os veículos elétricos possam prosperar, uma vez que as novas tecnologias já conseguem aumentar a autonomia, acelerar os carregamentos e dar mais potência aos veículos elétricos, como comprova o novo Nissan Leaf que começou hoje a ser vendido em Portugal, com as primeiras entregas previstas para maio. O Leaf 3.Zero prevê uma autonomia de 385 km, oferece 217 cv de potência e custa 45.500€.

A condução autónoma em Portugal poderá estar mais perto do que se julga. O Secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, José Gomes Mendes, presente na abertura do Fórum, anunciou a criação de um grupo de trabalho dedicado à condução autónoma, para que o nosso país possa integrar a breve prazo os circuitos de testes dedicados a este tipo de mobilidade. Ajustar e regulamentar é agora prioridade absoluta, numa altura em que também se fala em testes de partilha, para que no futuro se possam substituir veículos privados por carros partilhados nas grandes cidades. Na 3ª edição do Fórum da Mobilidade Inteligente da Nissan, abordaram-se soluções para uma segunda vida das baterias dos veículos elétricos, e falou-se da necessidade de um trabalho urgente das marcas de automóveis com os respetivos governos e novos parceiros, em prol de uma infraestrutura de carregamento.

O Teatro Camões, onde decorreu o Fórum da Mobilidade Inteligente, vai ser palco para um projeto de ecossistema elétrico. O conceito de Ecossistema Elétrico da Nissan, instalado com sucesso na Johan Cruyff Arena (antiga Amsterdam Arena), o estádio do clube de futebol Ajax, vai ser desenvolvido, pela primeira vez, em Portugal. O anúncio foi feito, hoje, no Teatro Camões, em Lisboa, que desta feita é o palco para testar esta solução de circularidade energética. O modelo a aplicar vai basear-se na produção por painéis solares, no armazenamento em baterias usadas de veículos elétricos, nomeadamente o Nissan Leaf, e posterior utilização dessa energia para as necessidades do Teatro Camões e carregar automóveis elétricos. Em Amesterdão, o sistema utilizado provou ser mais sustentável do que as redes tradicionais, possibilitando ainda o abastecimento de zonas residenciais e empresas vizinhas do estádio e criou uma verdadeira economia circular através do reaproveitamento das baterias usadas.

scroll up