23 anos depois, F1 fica de novo sem número 1

03 dezembro 2016

Dias depois de se ter sagrado Campeão do Mundo de Fórmula 1 em Abu Dhabi, Nico Rosberg anunciou que não vai defender a coroa da categoria rainha na próxima época. Uma notícia que apanhou todos de surpresa e que foi tornada pública pelo próprio piloto na sua página de Facebook.

“Há 25 anos que corro e que o meu sonho foi apenas um, sagrar-me Campeão do Mundo de Fórmula Um. Por entre trabalho árduo, dor e sacrifícios, foi esse o meu objetivo e agora concretizei-o. Escalei uma montanha, estou no pico, pelo que sinto que é a decisão certa. Sinto-me extremamente grato a todos os que me ajudaram a concretizar este sonho,” escreveu o alemão filho do também Campeão do Mundo de F1 Keke Rosberg.

“Quando ganhei a corrida em Suzuka, a partir do momento em que o destino do título ficou nas minhas mãos, foi quando a pressão se tornou maior e quando comecei a pensar em terminar a carreira se me tornasse Campeão do Mundo. No domingo de manhã, em Abu Dhabi, sabia que podia ser a minha última corrida.”

“Agora quero apenas desfrutar o momento. Refletir sobre a temporada. Depois disso vou virar uma nova página na minha vida e logo verei o que tenho pela frente,” concluiu o germânico.

Rosberg tornou-se assim no segundo piloto a abandonar a Fórmula 1 depois de se ter sagrado Campeão do Mundo. Alan Prost também o fez no final da época de 1993, há 23 anos. A grande diferença entre ambos é que o gaulês tinha acabado de conquistar o quarto título da carreira e tinha 38 anos de idade, enquanto Rosberg se ficou por uma coroa e arrumou as luvas com apenas 31 anos.

Curiosamente, e como apontou o Diretor de Prova do Campeonato do Mundo de Endurance da FIA, o português Eduardo Freitas, a F1 não é a única competição que não vai ter o respetivo Campeão do Mundo a defender o título em 2017. O WTCC não vai contar com a participação dos Campeões do Mundo de Pilotos e Construtores no próximo ano, o mesmo se passando com o Mundial de Ralis (se bem que Sébastien Ogier ainda poderá vir a assegurar lugar numa equipa). O próprio Mundial de Endurance também parece que vai perder dois dos seus vencedores, com Neel Jani a ser, até ao momento, o único que já confirmou a defesa da coroa. Já no que respeita a Construtores, ao que tudo indica apenas a Mercedes e a Porsche defenderão os seus títulos.

Resumindo, 2017 prepara-se para ser um ano estranho, com menos números 1 que o inicialmente esperado.

scroll up