Oliveira inicia ronda europeia com 18º lugar

05 maio 2019

O primeiro fim-de-semana europeu do Campeonato do Mundo de MotoGP apresentou-se repleto de desafios para Miguel Oliveira, com os tempos nos treinos livres a mostrarem-se modestos e depois com uma qualificação ainda mais complicada a não permitir melhor que o 22º posto da grelha.

Ainda assim, o jovem piloto ACP não baixou os braços e deu o seu melhor naquela que foi a primeira corrida em solo europeu este ano, no circuito andaluz de Jerez de la Frontera. Ao apagar das luzes Oliveira logrou ganhar uma posição para se envolver depois em animados despiques com o colega de equipa Hafizh Syahrin, Tito Rabat e Bradley Smith. Lutas intensas que resultaram em várias trocas de posições ao longo de toda a corrida, mas que no final se traduziram na 18ª posição e com uma vantagem de quase nove segundos sobre o colega de equipa.

No final, Oliveira foi, uma vez mais, o terceiro melhor piloto KTM e logrou ser o único estreante a terminar uma prova que, em boa verdade, se revelou muito complicada.

Foi uma corrida difícil, não consegui manter-me com os pilotos que estavam à minha frente,” começou por explicar Oliveira. “No início ainda fiz algumas ultrapassagens, mas não tinha velocidade nem ritmo para acompanhar qualquer piloto hoje, pelo que mantive o meu andamento, puxei em todas as voltas e terminei em 18º.”

É um pouco desapontante porque não consegui encontrar forma de ser mais rápido e de me sentir mais confortável na moto. A equipa tentou muitas coisas para me ajudar, mas este fim-de-semana, com os novos componentes que recebemos, foi complicado encontrar o mesmo equilíbrio com a moto que conseguimos nas primeira corridas. Creio que agora com este novo material vamos necessitar de um pouco mais de tempo para encontrar soluções que me ajudem a sentir-me mais confortável e a ser mais rápido com a moto.”

Enquanto isso, na frente, Marc Márquez recuperou bem de uma qualificação aquém do que lhe é habitual para subir, logo na primeira volta, de terceiro a primeiro, posição que não mais perdeu até final. Atrás dele terminaram Alex Rins (Suzuki) e Maverick Viñales (Yamaha), enquanto Andrea Dovizioso (Ducati) foi quarto. Um conjunto de resultados que levou a trocas no topo do Campeonato, com o espanhol Campeão do Mundo a saltar de quarto para a liderança da tabela com 70 pontos, seguido de Rins (69), que subiu de terceiro, e com Dovizioso a perder a liderança para estar agora em terceiro, a três pontos da frente.

Já Fabio Quartaro, que causou sensação ao tornar-se no mais jovem piloto de sempre a garantir a pole position para um Grande Prémio de MotoGP, não foi além da 14ª volta devido a problemas de transmissão, com a Yamaha a ficar presa na terceira velocidade. Um azar que ditou um inglório abandono.

scroll up